QUAL A IMPORTÂNCIA DO BIG DATA PARA A SUA EMPRESA

QUAL A IMPORTÂNCIA DO BIG DATA PARA A SUA EMPRESA

O mundo está cada vez mais imerso em informações, a conectividade está quebrando barreiras que antes eram retratadas somente em filmes futuristas, e com esta rede de conexões as informações vão se acumulando no sistema. E são esses dados que se tornaram tão importantes para as empresas obterem sucesso no mercado competitivo, pois deles podem ser retirados insights valiosos sobre o perfil do seu consumidor que ajudarão na definição das estratégias necessárias para qualquer tipo de ação.

Esse conjunto de informações é chamado de Big Data, elas estão presentes nos bancos de dados de servidores e empresas, estão interligadas entre si e podem ser acessadas remotamente por estarem disponíveis na rede mundial de computadores. O Wikipédia é um exemplo de banco de dados, disponibilizando textos para consultas online. Assim como o Youtube e sua gama interminável de vídeos de todos os tipos.

A obtenção dessas informações pode ocorrer em pequena ou grande escala, dependendo da amostragem que será necessária para gerar esses resultados. Porém, muitas empresas pecam em acreditar que apenas coletar essas informações e identificar alguns aspectos nelas é o bastante para criar um bom posicionamento e estratégias capazes de impulsioná-las. Este imenso montante de informações precisa ser garimpado, para ter apenas os dados mais importantes que realmente ajudarão na criação estratégica. Após selecionada esta coleta é necessário uma análise profunda dos dados, para identificar as oportunidades e as falhas no universo pesquisado, e então, direcionar o marketing com eficácia.

O surgimento das redes sociais e a criação de novas plataformas sociais a cada dia torna imprescindível o trabalho de pesquisa e análise de dados. A troca de informações realizada nessas redes é de grande volume e tornou-se o método mais importante de relacionamento com as marcas, uma afirmação pautada em estudos que afirmam que as plataformas digitais se tornaram o novo SAC para as empresas.

Porém, não somente o online é importante, seria um erro apenas dar atenção para os dados que se encontram na internet e deixar de lado outras mídias como televisão, rádio ou impresso. Outro banco de dados que deve constar na pesquisa é o interno da própria empresa, como compra e venda, call center, telemarketing e registros financeiros. O Big Data é todo e qualquer dado que pode ser coletado sobre uma empresa ou assunto.

 

  • OS 5V’s

O conceito do Big Data é baseado nos 5V’s, formando a base para a implementação do formato em empresas de qualquer segmento. Essas são funcionalidades que elucidam a importância e traçam uma linha para se seguir.

  1. Volume

Compreender o volume do universo a ser estudado é o primeiro passo para agregar o sistema de análise do Big Data. São 2,5 quintilhões de informações disponíveis diariamente para serem processadas, como acompanhamento de leads, interações, redes sociais, sites e blogs, histórico de consumo e outras tantas variedades de dados que podem ser encontradas. A junção desses dados que são armazenados em diferentes locais dá-se por meio de um software específico, capaz de comprimir e também selecionar as informações importantes.

  1. Variedade

Não há um padrão nos dados que são encontrados, eles podem ser de vários formatos e estarem inseridos em diversificados tamanhos. O Big Data consegue trabalhar com informações estruturadas e não estruturadas simultaneamente, gerando tempo e minimizando esforço na hora da coleta. Compreender essa variedade de arquivos ajuda no momento da análise e no armazenamento correto dos mesmos.

  1. Velocidade

A velocidade é uma importante característica do Big Data, pois a velocidade com que os dados são transferidos, baixados e armazenados é muito alta. A cada dia mais fontes e mais informações são inseridas nos bancos de dados, tornando necessário o gerenciamento desse volume em tempo real e de forma rápida. Esta agilidade no processamento de dados reduz consideravelmente o tempo entre a obtenção da informação e a tomada de decisão, o que pode gerar vantagem competitiva.

  1. Veracidade

Receber uma coleta de dados que se encaixem com a realidade do universo pesquisado e que tenham veracidade é uma das grandes preocupações de um a cada três líderes, segundo a IBM. A velocidade em que são inseridos novos dados nos sistemas e a velocidade necessária que deve ocorrer esse processamento torna imprescindível que as informações sejam referentes àquele momento, pois dados passados não devem ser considerados verídicos para o tempo verificado.

  1. Valor

De que adianta ter acesso a todas as informações importantes e não conseguir transformá-las em geração de valor para o negócio? A compreensão desses dados é que guiará o caminho para a criação de ações mais eficazes e negócios que terão maior rentabilidade.

 

  • APLICANDO O BIG DATA

Um processamento de qualidade de dados pode ajudar as empresas a melhorar o desempenho de seus negócios, pelo cruzamento dessas informações consegue-se um direcionamento mais eficaz e preciso do que é necessário para alcançar os objetivos traçados ou, até mesmo, criar novos caminhos e metas.

A exploração do Big Data pode apoiar a conquista de uma eficácia empresarial através de análises de mercado, previsões de tendências, gestão de pessoas, gerenciamento de crises, identificação de problemas, entre tantos outros prognósticos que podem ser configurados conforme o objetivo.

Entre os cases interessantes criados com a utilização do Big Data podemos evidenciar a UNICEF como exemplo. O órgão das Nações Unidas utilizou os recursos de “BD” em uma campanha para conscientizar e alertar sobre a situação de risco que as crianças refugiadas da Síria se encontram por causa da guerra. Através de uma análise com fotos de 500 crianças a UNICEF criou a Sofia, uma menina em 3D composta pela junção dos traços dessas crianças vítimas desta guerra. Desta maneira a campanha “Eu sou Sofia” tornou-se realidade e, além de conscientizar, busca angariar doações para ajudar as vítimas da Síria.

Outro exemplo de comprometimento com a utilização do Big Data é o novo projeto da operadora Vivo. A empresa criou o Data Labs, um núcleo que abrigará 120 pessoas para trabalhar com ferramentas e aplicações de Big Data. Essa intensificação no uso de informações é formada por vários projetos que serão aplicados ao longo do tempo, em áreas como o comercial, marketing, melhoria em redes e muitas outras. Um dos projetos é a identificação prévia de problemas oriundos a rede fixa, por meio de voz e dados. Através da tecnologia a Vivo irá analisar o grupo de informações em tempo real, desta maneira ajudará na tomada de decisões mais imediatas e eficazes.

A empresa de logística norte americana, UPS, com uma média de distribuição de 14 milhões de encomendas em mais de 200 países e uma frota de quase 100 mil veículos, é uma das grandes multinacionais que possuem múltiplas aplicações orientadas pelo Big Data. A principal refere-se à otimização das frotas. Através da telemática nos caminhões e algoritmos avançados os motoristas conseguem receber as melhores rotas, informações sobre o mecanismo dos automóveis e também prever manutenções necessárias. Desde a implementação de armazenamento de dados, a empresa evitou rotas desnecessárias e economizou mais de US$ 39 milhões de combustível.

  • ATENÇÃO COM O FUTURO

 

 

Há ainda muitas preocupações em torno do Big Data, como é o caso da privacidade do usuário e como esses dados colocados na internet poderão ser utilizados, pois muitos países não possuem uma legislação preparada para esses tipos de conflitos. A forma com o que o Google coloca seus anúncios patrocinados para os usuários com base em sua navegação é um exemplo desse uso do Big Data, o que gera um pensamento de “O quanto eles sabem sobre mim?”. A resposta é clara: Muito.

Esse acúmulo excessivo de informações e o quanto podemos tirar delas é que torna a viagem pelo Big Data uma importante vertente para analisar o mercado como um todo. Não é um trabalho que trará resultados em curto prazo e de imediato, porém, é algo que não dá mais para ignorar na era da informação e personalização.

Contudo, apesar de termos acesso a tantas informações com facilidade, erros grandiosos são cometidos por conta de análises precárias e sem profundidade. As eleições americanas de 2016, que elegeram Donald Trump, é um exemplo de uma grande confusão na análise e aplicação do Big Data. A popularidade da sua concorrente na internet e pelo mundo acabou não significando nada perante a realidade das eleições que conteve diversos fatores atenuantes. Não se pode confiar cegamente nos dados coletados, os resultados da análise precisam ser contextualizados e inseridos nas outras vertentes que configuram o seu mercado.

O grande diferencial é saber interpretar o Big Data para não dar chance de cometer um grande erro de constatação, o que resultará em ações equivocadas e consequências inimagináveis para a sua empresa. Você pode pensar que sabe de tudo o que é importante, mas pode não saber como aplicar corretamente.

Compartilhar: